António Gedeão

Páginas para editores sem sessão iniciada saber mais

Rómulo Vasco da Gama de Carvalho (Lisboa, 24 de novembro de 1906 - Lisboa, 19 de fevereiro de 1997) foi um professor e poeta português.[1][2]

Foi professor de físico-química do ensino secundário no Liceu Pedro Nunes, padeiro, Liceu D. João III (Coimbra) e no Liceu Camões, pedagogo, investigador da história da ciência em Portugal, divulgador da ciência e poeta, sob o pseudónimo de António Gedeão.

Pedra Filosofal e Lágrima de Preta são dois dos seus mais célebres poemas.

Encontra-se colaboração da sua autoria na rubrica Panorama Científico do semanário Mundo Literário[3] (1946-1948).

Foi académico efetivo da Academia das Ciências de Lisboa e diretor do Museu Maynense da Academia das Ciências de Lisboa.

A data do seu nascimento foi adoptada, em Portugal, em 1996, como Dia Nacional da Cultura Científica.[4]

Teve dois filhos, Frederico de Carvalho, também formado em ciências, e Cristina Carvalho, escritora (esta última do seu segundo matrimónio, com a escritora Natália Nunes).

Jaz no Jazigo dos Escritores Portugueses, no Talhão dos Artistas do Cemitério dos Prazeres, em Lisboa, junto de outros vultos notáveis das letras portuguesas, como José Cardoso Pires ou Fernando Namora.[1][2]