Friedrich Wöhler

Páginas para editores sem sessão iniciada saber mais

Friedrich Wöhler (Eschersheim/Frankfurt am Main, 31 de julho de 1800Göttingen, 23 de setembro de 1882) foi um pedagogo e químico alemão.[1]

Apesar de ter estudado obstetrícia em Heidelberg, interessou-se pela química mudando-se para Estocolmo para estudar com o químico sueco Jöns Jacob Berzelius. Em 1836 foi professor de química da Universidade de Göttingen.

Precursor no campo da química orgânica, Wöhler é famoso por sua síntese do composto orgânico ureia, conhecida como síntese de Wöhler. Mediante sua contribuição se demonstrou, ao contrário do pensamento científico da época,[1] que um produto dos processos vitais (orgânico) pode ser obtido em laboratório a partir de matéria inorgânica. Também realizou investigações fundamentais sobre o ácido úrico e o azeite de amêndoas amargas, em colaboração com o químico alemão Justus von Liebig. Descobriu juntamente com Justus von Liebig substância como: o ítrio, o berílio, o alumínio, o titânio e o silício. Mais do que isso ele teve suas contribuições para a ascensão do conceito de "radicais", isso significa, moléculas primordiais que a partir delas outras substâncias são constituídas. Futuramente essa teoria seria alterada, entretanto tal compreensão daria origem a um melhor entendimento com relação a disposição e organização molecular.

Descobriu o carbeto de cálcio e a partir deste obteve o acetileno. Também desenvolveu o método para preparar o fósforo, que se utiliza até hoje.

Durante sua vida além de deter de vastos conhecimentos de química orgânica (precipuamente) e inorgânica, esse se tornou um especialista na química de meteoritos alguns anos depois de fazer tais descobertas no campo da química orgânica e inorgânica. Nesse período de sua vida, ele pôde montar uma fábrica que fomentava a purificação do níquel.

Escreveu vários livros de química orgânica e inorgânica. Wöhler faleceu em Göttingen, em 23 de setembro de 1882. Está sepultado no Stadtfriedhof de Göttingen.

Os seus orientadores foram Leopold Gmelin e Jöns Jacob Berzelius, e entre os seus orientados constam Heinrich Limpricht, Wilhelm Rudolph Fittig, Adolph Wilhelm Hermann Kolbe, Georg Ludwig Carius, Albert Niemann, Vojtěch Šafařík, Carl Schmidt e Theodor Zincke.

1851: Richard Owen • 1852: Alexander von Humboldt • 1853: Heinrich Wilhelm Dove • 1854: Johannes Peter Müller • 1855: Jean Bernard Léon Foucault • 1856: Henri Milne-Edwards • 1857: Michel Eugène Chevreul • 1858: Charles Lyell • 1859: Wilhelm Eduard Weber • 1860: Robert Bunsen • 1861: Louis Agassiz • 1862: Thomas Graham • 1863: Adam Sedgwick • 1864: Charles Darwin • 1865: Michel Chasles • 1866: Julius Plücker • 1867: Karl Ernst von Baer • 1868: Charles Wheatstone • 1869: Henri Victor Regnault • 1870: James Prescott Joule • 1871: Julius von Mayer • 1872: Friedrich Wöhler • 1873: Hermann von Helmholtz • 1874: Louis Pasteur • 1875: August Wilhelm von Hofmann • 1876: Claude Bernard • 1877: James Dwight Dana • 1878: Jean-Baptiste Boussingault • 1879: Rudolf Clausius • 1880: James Joseph Sylvester • 1881: Charles Adolphe Würtz • 1882: Arthur Cayley • 1883: William Thomson • 1884: Carl Ludwig • 1885: Friedrich August Kekulé von Stradonitz • 1886: Franz Ernst Neumann • 1887: Joseph Dalton Hooker • 1888: Thomas Henry Huxley • 1889: George Salmon • 1890: Simon Newcomb • 1891: Stanislao Cannizzaro • 1892: Rudolf Virchow • 1893: George Gabriel Stokes • 1894: Edward Frankland • 1895: Karl Weierstrass • 1896: Carl Gegenbaur • 1897: Albert von Kölliker • 1898: William Huggins • 1899: John William Strutt • 1900: Marcellin Berthelot

Sepultura de Friedrich Wöhler no Cemitério municipal de Göttingen