Tutancâmon

Páginas para editores conectados saiba mais

Navegação

Colaboração

Ferramentas

Imprimir/exportar

Noutros projetos

Tutancâmon(pt-BR) ou Tutancámon(pt), Tutancamon(pt-BR)[2] ou ainda Tutankhamon[3] (c. 1 341 a.C. — c. 1 323 a.C.[4]) foi um faraó da décima oitava dinastia (governou de c. 1332–1323 a.C. na cronologia egípcia), durante o período da história egípcia conhecido como Império Novo.[5] Desde a descoberta de sua tumba intacta, foi referido coloquialmente como Rei Tut. Seu nome original, Tutankhaten, significa "Imagem viva de Áton", enquanto que Tutankhamun significa "Imagem viva de Amom".[6] Em hieróglifos, o nome Tutankhamun era tipicamente escrito Amen-tut-ankh, devido a um costume dos escribas de colocarem um nome divino no começo de uma frase para a reverência apropriada.[7] Tutancâmon é possivelmente Nibhurrereya[8] mencionado nas Cartas de Amarna e provavelmente o rei da dinastia XVIII, Rathotis,[9] que, de acordo com Manetão, um historiador antigo, reinou por apenas nove anos — uma hipótese que está de acordo com a versão de Flávio Josefo do epítome de Manetão.[10]

A descoberta de 1922 por Howard Carter da tumba de Tutancâmon, financiada por Lord Carnarvon,[11][12] recebeu cobertura da imprensa mundial. Isso despertou um renovado interesse público pelo antigo Egito, do qual a Máscara mortuária de Tutancâmon continua sendo um símbolo popular. Exibições de artefatos de sua tumba percorreram o mundo. Em fevereiro de 2010, os resultados do teste de DNA confirmaram que ele era o filho da múmia encontrada na tumba KV55, que alguns acreditavam ser Aquenáton. Sua mãe era a irmã e a esposa de seu pai, cujo nome é desconhecido, mas cujos restos mortais são positivamente identificados como a múmia "Dama Jovem" (pt-BR) (pt) [13] encontrada na tumba KV35 (Possivelmente Nefertiti).[14] A morte de alguns envolvidos na descoberta da múmia de Tutancâmon tem sido popularmente atribuída à Maldição do faraó.[15]

Tutancâmon era filho de Aquenáton (anteriormente Amenhotep IV) com alguma irmã do próprio Aquenáton[16] ou possivelmente uma de suas primas.[17] Ainda como príncipe, era conhecido como Tutancaten.[18] Ele subiu ao trono em 1333 a.C., com a idade de nove ou dez anos, assumindo o nome Nebkheperure.[19] Sua ama de leite foi uma mulher chamada Maia, segundo conta em seu túmulo em Sacará.[20] Seu professor foi Sennedjem.[21]

Quando se tornou rei, se casou com uma meia-irmã chamada Anquesenpaatem, que mais tarde mudou seu nome para Anquesenamom. Tiveram duas filhas, nenhuma das quais sobreviveu a infância.[14] Estudo de tomografia computadorizada lançados em 2011 revelam que uma filha nasceu prematuramente aos 5-6 meses de gestação e a outra a termo, aos 9 meses.[22] A filha que nasceu aos 9 meses de gestação tinha espinha bífida, escoliose e deformidade de Sprengel (uma condição que afeta a posição da escápula).[23]

Dada a sua idade, o rei provavelmente tinha conselheiros muito poderosos, presumivelmente incluindo o General Horemebe (grão-vizir, o possível filho de na lei e sucessor) e o grão-vizir Aí (que sucedeu a Tutancâmon). Horemebe registra que o rei o nomeou "senhor da terra" como príncipe hereditário para manter a lei. Ele também notou sua capacidade de acalmar o jovem rei quando seu temperamento se agitava.[25]

Em seu terceiro ano de reinado, sob a influência de seus conselheiros, Tutancâmon reverteu várias mudanças feitas durante o reinado de seu pai. Ele terminou a adoração do deus Áton e restaurou o deus Amom à supremacia. A proibição do culto de Amom foi suspensa e os privilégios tradicionais foram restaurados ao seu sacerdócio. A capital foi transferida de volta para Tebas e a cidade de Aquetatem foi abandonada.[26] Foi quando ele mudou seu nome para Tutancâmon, "Imagem viva de Amom", reforçando a restauração de Amom.[carece de fontes?]

Como parte de sua restauração, o rei iniciou projetos de construção, em particular em Carnaque em Tebas, onde dedicou um templo a Amom. Muitos monumentos foram erguidos, uma inscrição na porta do seu túmulo declara que o rei havia "passado a vida modelando as imagens dos deuses". Os festivais tradicionais foram novamente celebrados, incluindo os relacionados com o Touro Ápis, o Horemaquete e o Festival de Opet. Sua estela de restauração diz:

O país estava economicamente fraco e em tumulto após o reinado de Aquenáton. As relações diplomáticas com outros reinos foram negligenciadas, e Tutancâmon buscou restaurá-las, em particular as relações com os Mitani. A evidência de seu sucesso é sugerida pelos presentes de vários países encontrados em sua tumba. Apesar de seus esforços para melhorar as relações, foram registradas batalhas contra os núbios e asiáticos em seu templo mortuário em Tebas.[24] Seu túmulo continha armaduras corporais, bancos dobráveis apropriados para campanhas militares e arcos, além dele ter treinado o arco e flecha.[28] No entanto, dada a sua juventude (morto aos 19 anos de idade) e deficiências físicas que pareciam exigir o uso de uma bengala para caminhar, a maioria dos historiadores especula que não participou pessoalmente dessas batalhas.[14][29][30]

Tutancâmon era magro e tinha quase 1,67 m de altura.[32][33] Ele tinha grandes incisos frontais e a arcada dentária superior projetada para frente, característica da linhagem real tuteméssida à qual pertencia. Entre setembro de 2007 e outubro de 2009, várias múmias foram submetidas a estudos antropológicos, radiológicos e genéticos detalhados, como parte do King Tutankhamun Family Project. A pesquisa mostrou que Tutancâmon também tinha "um pouco de fissura palatina"[34] e possivelmente um caso leve de escoliose, uma condição médica na qual a coluna se desvia para o lado da posição normal. Foi postulado no documentário de 2002 "Assassination of King Tut" para o Discovery Channel que ele sofria de síndrome de Klippel-Feil, mas a análise subsequente excluiu isso como um diagnóstico aceitável.[35] O exame do corpo de Tutancâmon também revelou deformações no pé esquerdo, causadas por necrose do tecido ósseo. A aflição pode ter forçado Tutancâmon a andar com o uso de uma bengala, muitas dos quais foram encontrados em sua tumba.[36] Nos testes de DNA da múmia de Tutancâmon, os cientistas encontraram DNA dos parasitas transmitidos por mosquitos que causam a malária. Esta é atualmente a mais antiga prova genética conhecida da doença. Mais de uma cepa do parasita da malária foi encontrada, indicando que Tutancâmon contraiu múltiplas infecções por malária. De acordo com a National Geographic, "a malária enfraqueceu o sistema imunológico de Tutancâmon e interferiu na cicatrização de seu pé. Esses fatores, combinados com a fratura em seu osso da coxa esquerda, que cientistas descobriram em 2005, pode ter sido o que acabou matando o jovem rei".[36]

Em 2008, uma equipe iniciou pesquisas de DNA em Tutancâmon e os restos mumificados de outros membros de sua família. Os resultados indicaram que seu pai era Aquenaton e que sua mãe não era uma das esposas conhecidas de Aquenaton, mas uma das cinco irmãs de seu pai. As técnicas utilizadas no estudo, no entanto, têm sido questionadas.[37][38] A equipe relatou que estava 99,99% certa de que Amenotep III era o pai do indivíduo da tumba KV55, que por sua vez era o pai de Tutancâmon.[39] A mãe do jovem rei foi encontrada através do teste de DNA de uma múmia designada como 'The Younger Lady' (KV35YL) (Dama Jovem), que foi encontrada ao lado da Rainha na alcova da tumba KV35. Seu DNA provou que, como seu pai, ela era filha de Amenófis III e Tí; assim, os pais de Tutancâmon eram irmão e irmã.[39] A rainha Tí teve muita influência política na corte e atuou como conselheira para o filho após a morte de seu marido. Alguns geneticistas contestam essas descobertas e "reclamam que a equipe usou técnicas inadequadas de análise".[40]

Embora os dados ainda estejam incompletos, o estudo sugere que um dos fetos mumificados encontrados na tumba de Tutancâmon é a filha do próprio Tutancâmon, e o outro feto provavelmente também é seu filho. Até agora, apenas dados parciais para as duas múmias femininas de KV21 foram obtidos.[39]

Não há registros sobre a morte de Tutancâmon. A causa de sua morte tem sido objeto de considerável debate e importantes estudos foram realizados para estabelecê-la. Uma tomografia computadorizada realizada em 2005 mostrou que ele havia sofrido uma fratura na perna esquerda[42] pouco antes de sua morte e que a perna havia se infectado. A análise de DNA realizada em 2010 mostrou a presença de malária em seu sistema, levando à crença de que uma combinação de malária e doença de Köhler o levou à morte.[43]

Um pesquisa realizada em 2005 por arqueólogos, radiologistas e geneticistas que realizaram tomografias na múmia, descobriu que ele não foi morto por um golpe na cabeça, como se pensava anteriormente. Novas imagens de tomografia computadorizada descobriram falhas congênitas, que são mais comuns em filhos de incesto. Irmãos são mais prováveis para transmitirem cópias duplas de alelos deletérias, razão pela qual os filhos de incesto manifestam defeitos genéticos com mais frequência.[44] Suspeita-se que ele também tinha um fissura palatina, outro defeito congênito.[39]

Várias outras doenças, invocadas como possíveis explicações para sua morte precoce, incluíram a síndrome de Marfan, síndrome de Wilson-Turner, síndrome de Fröhlich (distrofia adiposogenital), síndrome de Klinefelter, síndrome de insensibilidade androgênica, síndrome de excesso de aromatase em conjunto com a síndrome de craniossinostose sagital, a síndrome de Antley-Bixler ou uma de suas variantes.[45]

Uma equipe de pesquisa realizou mais exames de TC, a análise de STR rejeitou a hipótese de ginecomastia e craniossinostose (por exemplo, síndrome de Antley-Bixler) ou síndrome de Marfan, mas um acúmulo de malformações da família de Tutancâmon são evidentes. Várias patologias, incluindo a doença de Köhler II, foram diagnosticadas. Nenhuma delas teria causado a sua morte. Testes genéticos para genes STEVOR, AMA1, ou MSP1 específicos para Plasmodium falciparum revelaram indicações de malária tropica em quatro múmias, incluindo a de Tutancâmon.[14]

Como dito acima, a equipe descobriu DNA de várias cepas de um parasita, provando que ele foi repetidamente infectado com a mais severa cepa da malária, várias vezes em sua curta vida. A malária pode causar uma resposta imune fatal no corpo ou desencadear um choque circulatório que também pode levar à morte. Se Tutankhamon sofreu de uma doença óssea que era incapacitante, pode não ter sido fatal. "Talvez ele tenha lutado contra outras [falhas congênitas] até que um ataque severo de malária ou uma perna quebrada em um acidente tenha acrescentado uma cepa a um corpo que não poderia mais suportar a carga", escreveu Zahi Hawass, arqueólogo e chefe do Conselho Supremo Egípcio de Antiguidade envolvido na pesquisa.[46]

Uma revisão dos achados médicos até o momento constatou que ele sofria de leve cifoescoliose, pé chato, hipofalangismo do pé direito, necrose do segundo e terceiro metatarsiano ósseo do pé esquerdo, malária e uma fratura ósseacomplexa do joelho direito, que ocorreu pouco antes de sua morte.[47]

Vários especialistas argumentam que o DNA egípcio antigo nem sempre sobrevive a um nível que é facilmente recuperável e questionam a validade e confiabilidade dos dados genéticos coletados de fontes egípcias antigas. Um especialista argumenta que a maioria dos ferimentos infligidos a Tutancâmon tinha que ter acontecido antes e durante a mumificação, devido a um teste realizado em ossos secos que desmoronaram quando ele tentou cortá-los, descartando que o peito de Tutancâmon tivesse sido cortado por Carter ou por qualquer outra pessoa depois dele. Vários especialistas apoiam a idéia de que Tutancâmon morreu como resultado de um acidente, seja de um acidente de caça ou de biga. Alguns acreditam que Tutancâmon morreu repentinamente longe de casa e teve que ser levado de volta para a mumificação. Dr. Jo Marchant, uma historiadora, admite em seu livro The Shadow King que ela pessoalmente, acredita que morreu como resultado de um acidente, afirmando que todas as evidências sugerem que Tutancâmon tinha sido um jovem que deve ter assumido um risco a mais e terminou sua vida cedo, afirmando também que a teoria do acidente apoia todas as esquisitices em torno da mumificação e do enterro de Tutancâmon; ela também aponta que muitos cientistas concordam que, embora Ashraj Selim e sua equipe sejam radiologistas maravilhosos e experientes, eles não têm experiência em examinar múmias antigas e, portanto, não conseguem diagnosticar facilmente uma múmia antiga.[48]

Tutancâmon foi enterrado em um túmulo excepcionalmente pequeno considerando seu status. Sua morte pode ter ocorrido inesperadamente, antes da conclusão de uma grandiosa tumba real, fazendo com que a múmia de Tutancâmon fosse enterrada em um túmulo destinado a outra pessoa. Isso preservaria a observância dos habituais 70 dias entre a morte e o enterro.[49]

Em 1915, George Herbert, 5º Conde de Carnarvon, o financiador da busca e escavação do túmulo de Tutancâmon no Vale dos Reis, empregou o arqueólogo inglês Howard Carter para explorá-lo. Após uma busca sistemática, Carter descobriu o verdadeiro túmulo de Tutancâmon (KV62) em novembro de 1922,[50] e abriu a câmara funerária em 16 de fevereiro de 1923.[51]

Em 4 de novembro de 2007, 85 anos após a descoberta de Carter, a múmia de Tutancâmon foi exposta em seu túmulo subterrâneo em Luxor, quando a múmia foi removida de seu sarcófago de ouro para uma caixa de vidro com controle de temperatura. O estojo foi projetado para evitar a alta taxa de decomposição causada pela umidade e calor dos turistas que visitam a tumba.[52]

Sua tumba foi saqueada pelo menos duas vezes na antiguidade, mas com base nos itens retirados (incluindo óleos e perfumes perecíveis) e a evidência de restauração da tumba após as intrusões, esses saques provavelmente ocorreram após alguns meses depois do enterro inicial. A localização da tumba foi perdida porque havia sido soterrada por detritos de tumbas posteriores, além disso, foram construídas casas de trabalhadores sobre a entrada da tumba.[53]

A tumba continha 5,398 items, incluindo um caixão de ouro maciço, a máscara mortuária de Tutancâmon, tronos, arcos de arco e flecha, trombetas, um cálice de alabastro, 130 bengalas e suportes,[41] comida, vinho, sandálias e roupas íntimas de linho. Howard Carter levou 10 anos para catalogar os itens.[54] Uma análise de 2016 descobriu que a lâmina de punhal de ferro de Tutancâmon, uma adaga recuperada da tumba, tinha uma lâmina de ferro confeccionada a partir de um meteorito; o estudo dos artefatos da época, incluindo outros artefatos da tumba de Tutancâmon, poderia fornecer informações valiosas sobre as tecnologias de usinagem em todo o Mediterrâneo na época.[55][56][57][58]

Quase 80% do equipamento funerário de Tutancâmon se originou dos bens funerários da faraó Neferneferuaten, incluindo a Máscara de Tutancâmon.[59][60] Em 2015, o egiptólogo inglês Nicholas Reeves publicou evidências mostrando que um cartucho na máscara mortuária dizia "Ankhkheperure mery-Neferkheperure" (Ankhkheperure amante de Akhenaten); portanto, a máscara foi originalmente feita para Nefertiti, a rainha principal de Akhenaton, que usou o nome real Ankhkheperure quando ela provavelmente assumiu o trono após a morte de seu marido.[61] Neferneferuaten (provavelmente Nefertiti se ela assumiu o trono após a morte de Akhenaton) pode ter sido deposta em uma luta pelo poder e possivelmente destituída de um enterro real, ou ela foi enterrada com um conjunto de equipamentos funerários diferentes de Akhenaton pelas autoridades de Tutancâmon, desde que Tutancâmon a sucedeu como rei.[62] Neferneferuaten foi provavelmente sucedida por Tutancâmon baseado na presença de seus bens funerários em seu túmulo.[63][64]

Em janeiro de 2019, foi anunciado que a tumba seria reaberta aos visitantes após nove anos de restauração.[65]

Por muitos anos, rumores de uma "Maldição do faraó" (provavelmente abastecido por jornais que procuravam vendas no momento da descoberta)[66] persistiram, enfatizando a morte prematura de alguns dos que haviam entrado no túmulo. O mais proeminente foi a morte de Carnarvon, que morreu em 5 de abril de 1923, apenas cinco meses após a descoberta do primeiro degrau que levou à tumba em 4 de novembro de 1922.[67]

Um estudo de documentos e fontes acadêmicas levou The Lancet a concluir que a morte de Carnarvon não tinha nada a ver com a tumba de Tutancâmon, independentemente de ser por causa de uma maldição ou exposição a fungos tóxicos (micotoxinas).[68] A causa da morte de Carnarvon foi a pneumonia que sobrevinha à erisipela [facial] (uma infecção estreptocócica da pele e tecido mole subjacente). A pneumonia foi considerada apenas uma das várias complicações, decorrentes da infecção progressivamente invasiva, que acabou resultando em falência de múltiplos órgãos".[69] O conde era "propenso a infecções pulmonares freqüentes e graves" segundo o The Lancet e havia uma "crença geral ... de que um ataque agudo de bronquite poderia tê-lo matado. Em um estado tão debilitado, o sistema imunológico do conde era facilmente oprimido pela erisipela".[68]

Um estudo mostrou que das 58 pessoas que estavam presentes quando a tumba e o sarcófago foram abertos, apenas oito morreram em doze anos;[70] Howard Carter morreu de linfoma em 1939 aos 64 anos.[71] Os últimos sobreviventes incluíram a filha de George Herbert, o conde de Carnarvon, que estava entre as primeiras pessoas a entrar no túmulo após sua descoberta em novembro de 1922 e que viveu por mais 57 anos até morrer em 1980,[72] e o arqueólogo americano J.O. Kinnaman que morreu em 1961, 39 anos após o evento.[73]

O senet, um jogo de tabuleiro que ensinava sobre a vida após a morte

Cajado(heka) e mangual (nekhakha)[74]

Uma das 413 Ushabtis encontradas na tumba[75]

Cálice de alabastro feito de uma peça única da pedra,

Sandálias douradas

Vaso esculpido em calcita

Tampo de um dos vasos canópicos, esculpido em calcita

Réplica da máscara mortuária de Tutancâmon (no Museu Egípcio)

A fama de Tutancâmon é principalmente o resultado de sua tumba bem preservada e das exibições globais de seus artefatos associados. Como Jon Manchip White escreve, em seu prefácio à edição de 1977 de The Discovery of the Tomb of Tutankhamun de Carter, "O faraó que em vida foi um dos menos estimados faraós do Egito se tornou em morte o mais renomado".[76]

As relíquias da tumba de Tutancâmon estão entre os artefatos mais viajados do mundo. Estes objetos estiveram em muitos países, provavelmente a turnê de exibição mais conhecida foi a turnê "The Treasures of Tutankhamon", de 1972 a 1979. Esta exposição foi mostrada pela primeira vez em Londres no British Museum de 30 de março a 30 de setembro de 1972. Mais de 1,6 milhão de visitantes visitaram a exposição, alguns esperaram em fila por até oito horas. Até hoje a exposição mais popular na história do Museu.[77] A exposição viajou para muitos outros países, incluindo os Estados Unidos, União Soviética, Japão, França, Canadá e Alemanha Ocidental. O Museu Metropolitano de Arte organizou a exposição dos EUA, que decorreu de 17 de novembro de 1976 a 15 de abril de 1979. Mais de oito milhões compareceram.[78]

Em 2005, o Conselho Supremo de Antiguidades do Egito, em parceria com a Arts and Exhibitions International e a National Geographic Society, lançou um tour pelos tesouros de Tutancâmon e outros objetos funerários da 18ª Dinastia, desta vez chamados Tutankhamun and the Golden Age of the Pharaohs. Apresentava as mesmas exposições que Tutankhamen: The Golden Hereafter em um formato ligeiramente diferente. Esperava-se atrair mais de três milhões de pessoas.[79]

A exposição começou em Los Angeles, depois foi para Fort Lauderdale, Chicago, Filadélfia e Londres antes de finalmente retornar ao Egito em agosto de 2008.[80]

As principais descobertas da tumba, incluindo a máscara mortuária de ouro, podem ser encontradas no Museu Egípcio, no Cairo, e em réplicas no Cairo e Luxor. A múmia do faraó é a única de um rei egípcio que ainda está na sepultura original no Vale dos Reis após a descoberta e abertura do túmulo. No curso da Revolução Egípcia de 2011, os saques ao Museu Egípcio também afetaram os achados do túmulo de Tutancâmon. Uma pequena estatueta dourada (JE 60710.1)[81] e o topo de outra estão desaparecidas desde então.[82]

No início de 2015, a máscara mortuária foi danificada durante o trabalho de limpeza: a barba do faraó se rompeu e não foi novamente reparada profissionalmente com cola de resina usou-se um adesivo na máscara que ao ser raspada causou mais danos.[83] No início de 2016, foram apresentadas acusações contra oito egípcios, incluindo o ex-diretor do Museu Egípcio e o então chefe restaurador.[84] Enquanto isso, a máscara foi restaurada.[85]

Em julho de 2019, parte de uma escultura de quartzito com o rosto do faraó egípcio foi leiloado pelo equivalente a vinte e três milhões de reais pela casa de leilões Christie's, em Londres. O leilão ocorreu apesar de críticas do Egito, que alertara que provavelmente o artefato de Tutancâmon foi roubado nos anos 1970; segundo a casa de leilões, o artefato pertencia desde 1960 à coleção do príncipe alemão Maximiliano Carlos, 6º Príncipe de Thurn e Taxis e foi vendido entre 1973 e 74 a um mercador austríaco.[86] Tanto o comprador quanto o vendedor são anônimos.[87]

Caixa pintada com cenas de Tutancâmon combatendo os núbios e asiáticos[24]
Detalhe da pintura frontal da caixa
"Cabeça do faraó emergindo da flor de lótus", estatueta de madeira do jovem rei encontrada na entrada da tumba, atualmente no Museu do Cairo[31]
Algumas das 130 bengalas e esteios de Tutancâmon. Alguns estudiosos sugerem que o rei foi enterrado com esses itens porque precisava de auxílio para caminhar, no entanto, outros reis da 18a dinastia também usaram o acessório.[41]
Howard Carter e associados abrindo as portas do santuário na câmara funerária (1924 reconstrução do evento de 1923)